Envelhecimento da Face: da juventude a idade avançada

Antes de começarmos a falar sobre algo específico a respeito dos tratamentos estéticos, vamos descrever como ocorre o processo de envelhecimento da face. Assim conseguimos entender cada passo tanto em relação ao diagnóstico como os próprios tratamentos.

Nossa face tem uma divisão anatômica específica caracterizada pelas seguintes estruturas: Pele, subcutâneo, SMAS (Camada músculo aponeurotica), ligamentos retentores e espaços, periósteo (revestimento dos ossos da face). O desenho abaixo pode especificar melhor mais cada uma das estruturas:

As cinco camadas anatômicas da face

Todas essas estruturas sofrem ação do tempo e marcam de maneira concreta a forma, que a face adquire ao longo dos anos. Iniciamos essa descrição pela pele: por influência genética, exposição solar, maus hábitos de vida (tabagismo / má alimentação) e o próprio tempo, faz com que essa estrutura se torne mais fina e flácida devido principalmente a perda de elasticidade. O comprometimento por radicais livre de moléculas como colágeno e elastina faz com que a pele ganhe essa característica típica do envelhecimento. Logo abaixo da pele, encontramos “bolsas” de gordura que oferecem o volume de determinados locais da face. Essas “bolsas gordurosas” estão envolvidas por ligamentos retentores e por isso permanecem posicionadas com linhas de transição muito leves nos jovens.

Bolsas de gordura envolvidas pelos ligamentos retentores

Com o envelhecimento, ocorre um enfraquecimento dos ligamentos retentores dessas bolsas de gordura. A partir de então começa a ocorrer a descida dos tecidos, que estão sobrepostos por uma pele mais fina e frágil. A foto abaixo mostra claramente a modificação dos ligamentos comparativamente numa face jovem e numa face mais velha.

Atenção principalmente para porção inferior da face em que percebemos o descenso das estruturas devido a maior fragilidade dos ligamentos retentores.

Todo processo de queda das estruturas da face acompanha uma retenção que ainda segura as estruturas mesmo que de forma menos eficiente. Por isso, começam aparecer os sulcos e as bolsas. Na foto abaixo podemos avaliar essas alterações em regiões especificas da face.

A fragilidade dos tecidos expostos a força da gravidade faz com que os ligamentos da face separem de forma clara as regiões. Por isso, percebemos os sulcos e as proeminências.

Além de todo esse processo, a face ainda uma alteração sobre a parte óssea. Nesse caso, a reabsorção com perda de volume em certos locais favorece ainda mais as marcas da idade. A foto abaixo mostra os locais em que ocorre a maior reabsorção óssea na face.

As regiões de absorção óssea maior faz com que tenhamos não só aprofundamento de determinados locais como também exacerbação dos sulcos e do descenso das bolsas gordurosas. Essa soma oferece uma face com aspecto mais pesado e cansado no processo de envelhecimento.

Esse conjunto de alterações podem ser somadas e dessa forma observamos a dinâmica das estruturas de forma simultânea conforma mostra a foto abaixo:

Somatória de todos os fatores de envelhecimento conforme descrito anteriormente, agora sob uma visão simultânea entre as estruturas

Referências:

Fotos do livre Neligan – Tratado de Cirurgia Plástica

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: